Sexta inspiradora: fotos na praia, fofas ou divertidas

fotos na praia

Nesta sexta-feira, em homenagem a que está com saudades de curtir uma praia selecionei fotos na praia. Aqui no Rio a praia ainda não está liberada para ficar na areia, apenas para mergulhos rápidos e esportes. Então vale ir se inspirando nessa seleção de fotos fofas ou divertidas para fazer com as crianças quando pudermos voltar a frequentar as areias.

bebê na praia
www.mildicasdemae.com.br
Bebê na praia
https://www.instagram.com/dicasdaboas/
Fotos na praia
www.vsco.co
Família na praia
www.mildicasdemae.com.br
areia
www.cupomviagem.com.br
Fotos na praia
www.ladylemonade.nl
Foto divertida na praia
Foto divertida
www.paisefilhos.com.br
Irmãos na praia
www.posterjack.ca
Foto divertida
www.princesspinkygirl.com

Acho que você também pode gostar desse post:

#TBT: o quarto de Jack – sobre ser a melhor mãe que você pode

(Post originalmente escrito em 7 de junho de 2017)

Os grupos de mães virtuais ou físicos estão cada vez mais impregnados de intolerância, comparações, críticas, egoísmo. É impressionante como mulheres que exercem o mesmo papel não conseguem se solidarizar umas com as outras. Será que é tão difícil entender que cada mãe é a melhor mãe que pode ser para seus filhos? A maternidade é o maior desafio de nossas vidas e nós buscamos o nosso melhor, mas somos diferentes umas das outras. Outro dia, assisti com um superatraso ao filme “O Quarto de Jack”. Se você ainda não tiver visto, vale assistir e depois voltar aqui para ler o texto, pois tem spoiler.

O filme é forte, mexe muito com quem é mãe porque conta a história de uma menina de apenas 17 anos que foi sequestrada e passou a viver em cativeiro. Em um pequeno quarto no jardim de seu sequestrador ela engravidou dele e teve um filho, o Jack que dá nome ao filme (na verdade originalmente é um livro). Quando Jack faz cinco anos, a mãe tem 24 e elabora um plano para que ele fuja do cativeiro.

O menino nasceu naquele quarto e nunca viu o mundo lá fora. Não sabe o que são janelas e só conhece o céu visto de uma claraboia no teto com pé direito alto. Ele só convive com a mãe e vê o sequestrador todas as noites (escondido de dentro do armário) quando ele faz as visitas de rotina à cama da sequestrada. É incrível imaginar a vida de alguém que nasceu em cativeiro. Não conhece pessoas, animais, objetos básicos do nosso dia a dia. Tudo o que ele pensa saber sobre o mundo lá fora vem da televisão. Mas ele não sabe o que é personagem e o que é realidade. Vendo a relação mãe e filho você admira muito aquela mulher. Como ela consegue educar e criar uma criança naquela situação?

A Fuga

No momento em que decide planejar a fuga do filho, mais uma vez, sua atitude é admirável. Ela corre riscos e também arrisca a vida do filho, mas a gente entende que é um momento decisivo, ou vai ou racha. Eles não podem mais viver naquela situação.

Quando a fuga dá certo e o filho consegue até resgatar a mãe a gente pensa que o filme acabou, que ficou tudo bem, mas ele ainda está na metade. A readaptação da mãe e a apresentação do filho à vida real são difíceis, dolorosas e dramáticas. E um dos principais fatores que dificultam essa adaptação é a crítica da sociedade.

No quarto, mãe e filho eram apenas mãe e filho, longe dos olhares da mídia, dos vizinhos e até dos familiares (o avô não consegue aceitar o neto). Fora do quarto, a mãe de Jack precisa lidar com o fato de que ela não é só mãe, é também filha e sua mãe viveu a privação de sua maternidade quando a menina foi sequestrada. Além disso, tem o fato de que Jack é filho de um estupro. Ele não é só filho da mãe, tem um pai também na história e a mãe tem dificuldade de reconhecer isso e pensar em como será se um dia ele quiser se aproximar do pai ou o pai quiser se aproximar dele.

Um dos momentos mais marcantes dessa crítica à maternidade exercida pela mãe de Jack é quando uma repórter pergunta se ela não havia pensado em pedir para o sequestrador deixar o filho, quando nasceu, em algum lugar, para alguém cuidar. A repórter dá a entender que a mãe foi egoísta em manter o filho no cativeiro. Foi cruel e deixou a mãe tão deprimida que tentou o suicídio, algo que ela não tinha tentado nem quando estava em cativeiro. Em vez de dar a tal “chance ao filho” que a repórter defendia, que na verdade poderia não ser uma chance, pois não se sabe o que o sequestrador faria com a criança. Ela criou o menino, educou, deu a ele a oportunidade de ter uma mãe em vez de ser abandonado por mãe e pai e foi a melhor mãe para ele que poderia ser naquelas condições. Uma mãe que não teve tempo de se preparar para a maternidade e que ainda sofria por ter sido roubada de seus pais. Uma mãe admirável! Um papel tão complexo e tão marcante que a atriz, Brie Larson, inclusive venceu o Oscar de melhor atriz com o filme.

Leia também:

TBT: Português, uma das línguas mais difíceis do mundo
10 ideias para deixar o banheiro divertido
Filmes Escondidos no Telecine: Bao
Receita: brownie da Jana
Sobre ver o copo meio cheio
Sexta inspiradora: pratos divertidos

Festa junina drive in é novidade na quarentena
10 ideias de decoração com fita isolante
Filmes escondidos no Netflix: Rock Dog
Maternidade Real: amor infinito de mãe
Sexta inspiradora: fotos de crianças com cachorros
TBT: Túnel de tecido para levar a brincadeira para casa
10 ideias de porta-retrato diy para quarto de menino
Dica de brincadeira: basquete de copo
Drive in: opção de programa em tempos de Covid-19
Maternidade Real: Superação
TBT: Presente do irmão e para o irmão
Dica de livro: O Pote Vazio
10 ideias de cabideiro DIY para quarto infantil
Maternidade Real: Mãe x Criança
Animação em Lego: Casamento
Filmes escondidos no Prime Video: “Um Monstro em Paris”
Frase sobre maternidade: lar ou casa?

One comment

Deixe uma resposta